Tinta produzida a partir de resíduos de isopor e cascas de frutas cítricas. Um projeto de alunos da Unisinos que reaproveita um material de descarte difícil e utiliza um solvente de fonte natural.

img-tinta

Na medida em que aumenta o consumo, aumenta o descarte, tornando a produção desenfreada de lixo um dos nossos principais desafios. E se os resíduos que rejeitamos pudessem retornar em forma de produtos sustentáveis? Pensando de forma inovadora, as alunas do curso de Engenharia Química Gabriela Schneider e Paula Schwade desenvolveram uma tinta a partir do isopor, produto de difícil reciclagem.

“Convertemos um volume muito grande de Isopor em um filme fino de tinta. Trocamos também os solventes comuns na indústria por um solvente natural extraído da casca de frutas cítricas, que é biodegradável e não agride o meio ambiente e a saúde humana”, conta Gabriela. Paula afirma que o viés sustentável sempre foi o principal aspecto da pesquisa: “Foi um dos motivos para que se reaproveitasse o d-limoneno, solvente natural extraído das cascas de frutas cítricas, que reaproveita os restos das laranjas utilizadas no suco do Restaurante Universitário”.

A tinta tem o mesmo desempenho de outras vendidas no mercado. Ela está em fase de patenteamento e o custo calculado é viável ao consumidor. Mais uma prova de que as novas ideias geram soluções sustentáveis para o amanhã da engenharia e do planeta.

Aqui, transformamos resíduo em material de alta aplicabilidade.

Descubra como a equipe de pesquisa da Unisinos criou essa solução que é exemplo de sustentabilidade.