• “Mulher Mãe Anjo Lindo”

    “Mulher Mãe Anjo Lindo” De autoria de Luís Carlos Souza Mulher assim eu te chamo, porque és a verdadeira tradução do mais puro amor, do carinho que só Deus, é quem vai poder realmente explicar. Mulher, anjo mãe, em todas as formas do verbo amar, do verdadeiro querer, que nos faz cada vez mais amar […]

    mulher negra
  • “Brasil vive apartheid e culpam as drogas”, diz Carl Hart

    Primeiro neurocientista negro a se tornar professor titular da universidade de Columbia, em Nova York (EUA), autor do livro Um Preço Muito Alto: a jornada de um neurocientista que desafia nossa visão sobre as drogas, o pesquisador norte-americano Carl Hart, 48, deixa, nesta quinta-feira, 3, Salvador, após cumprir três dias de uma agenda de compromissos […]

    650x375_carl-hart-salvador_1557544

Slide1

“Mulher Mãe Anjo Lindo”
De autoria de Luís Carlos Souza
Mulher assim eu te chamo, porque és a verdadeira tradução do mais puro amor, do carinho que só Deus, é quem vai poder realmente explicar.
Mulher, anjo mãe, em todas as formas do verbo amar, do verdadeiro querer, que nos faz cada vez mais amar tanto assim.
Você mulher que gera, em seu ventre, uma parte linda de todo o seu ser, e que consegue dividir com ele todos os movimentos, do seu lindo viver, mulher linda as vezes suave e as vezes tão doce, como Deus quis que ela fosse e mesmo quando ficas, brava consegue se tornar a paz para as nossas almas,
Mulher linda como a mais doce canção, que traz nos olhos, a pureza do mais lindo anjo e o verdadeiro amor dentro do seu coração.
Mulher vaidosa, carinhosa, sem jamais recuar, quer poder agradar a todas mesmo quando alguns insistem a lhe magoar.mulher negra

Primeiro neurocientista negro a se tornar professor titular da universidade de Columbia, em Nova York (EUA), autor do livro Um Preço Muito Alto: a jornada de um neurocientista que desafia nossa visão sobre as drogas, o pesquisador norte-americano Carl Hart, 48, deixa, nesta quinta-feira, 3, Salvador, após cumprir três dias de uma agenda de compromissos com a Iniciativa Negra por Uma Nova Política Sobre Drogas (INNPD) e o governo  estadual, por meio das secretarias da Justiça e Direitos Humanos e da Segurança Pública. Nessa entrevista exclusiva ao A TARDE, na segunda passagem pela capital baiana, Hart fala  sobre o trabalho que vem desenvolvendo em relação à política mundial antidrogas (na visão dele “uma política enganadora”).

A respeito da defesa do sr. da legalização ou descriminalização das drogas nos EUA, o mesmo pode ser aplicado no Brasil?

Claro. Seja legalização ou descriminalização, o que quer que funcione na sociedade seria bom. Devemos perguntar quais questões queremos resolver: se estamos preocupados com traficantes, teremos que pensar sobre a legalização, pois tem a ver com o comércio. Por outro lado, traficantes não terão êxito se houver inclusão social. Até descobrimos como sermos mais inclusivos, sempre teremos problemas com o tráfico. Onde houver drogas e pessoas terá tráfico. Mas, enquanto pessoas não forem incluídas, haverá economia clandestina.

Fonte:http://www.geledes.org.br/brasil-vive-apartheid-e-culpam-as-drogas-diz-carl-hart/#gs.5f5492b8a2eb44bdacd916d60b821cfd650x375_carl-hart-salvador_1557544

Slide1

Encontros GT da Psico

0 Comentário em 17 - março - 2015

GTpsicologia