Realidade dos municípios do Vale do Rio dos Sinos

O conceito de Desenvolvimento Humano é a base do Relatório de Desenvolvimento Humano (RDH), publicado anualmente, e também do Índice de Desenvolvimento Humano (IDH). Ele parte do pressuposto de que para aferir o avanço de uma população não se deve considerar apenas a dimensão econômica, mas também outras características sociais, culturais e políticas que influenciam a qualidade da vida humana.

Esse enfoque é apresentado desde 1990 nos RDHs, que propõem uma agenda sobre temas relevantes ligados ao desenvolvimento humano e reúnem tabelas estatísticas e informações sobre o assunto. A cargo do PNUD, o relatório foi idealizado pelo economista paquistanês Mahbub ul Haq (1934-1998). Atualmente, é publicado em dezenas de idiomas e em mais de cem países.

O IDH – Índice de Desenvolvimento Humano

O objetivo da elaboração do Índice de Desenvolvimento Humano é oferecer um contraponto a outro indicador muito utilizado, o Produto Interno Bruto (PIB) per capita, que considera apenas a dimensão econômica do desenvolvimento. Criado por Mahbub ul Haq com a colaboração do economista indiano Amartya Sen, ganhador do Prêmio Nobel de Economia de 1998, o IDH pretende ser uma medida geral, sintética, do desenvolvimento humano. Não abrange todos os aspectos de desenvolvimento e não é uma representação da “felicidade” das pessoas, nem indica “o melhor lugar no mundo para se viver”.

Além de computar o PIB per capita, depois de corrigi-lo pelo poder de compra da moeda de cada país, o IDH também leva em conta dois outros componentes: a longevidade e a educação. Para aferir a longevidade, o indicador utiliza números de expectativa de vida ao nascer. O item educação é avaliado pelo índice de analfabetismo e pela taxa de matrícula em todos os níveis de ensino. A renda é mensurada pelo PIB per capita, em dólar PPC (paridade do poder de compra, que elimina as diferenças de custo de vida entre os países). Essas três dimensões têm a mesma importância no índice, que varia de zero a um.

Apesar de ter sido publicado pela primeira vez em 1990, o índice foi recalculado para os anos anteriores, a partir de 1975. Aos poucos, o IDH tornou-se referência mundial. É um índice-chave dos Objetivos de Desenvolvimento do Milênio das Nações Unidas e, no Brasil, tem sido utilizado pelo governo federal e por administração Índice de Desenvolvimento Humano Municipal (IDH-M), que pode ser consultado no Atlas do Desenvolvimento Humano no Brasil, um banco de dados eletrônico com informações sócio-econômicas sobre os 5.507 municípios do país, os 26 Estados e o Distrito Federal.

Entenda como é calculado o IDH.

Municípios do Vale do Rio dos Sinos

O índice varia de zero (nenhum desenvolvimento humano) até 1 (desenvolvimento humano total), sendo os municípios classificados deste modo:

  • Quando o IDH de um município está entre 0 e 0,499, é considerado baixo.
  • Quando o IDH de um município está entre 0,500 e 0,799, é considerado médio.
  • Quando o IDH de um município está entre 0,800 e 1, é considerado alto.

ranking vale

Dos municípos que compõem o Vale do Rio do Sinos a cidade de IVOTI é a mais bem colocada, ocupando o 25° lugar no ranking nacional e o 1° lugar no ranking do Vale do Rio dos Sinos, conforme dados divulgado pelo  Programa das Nações Unidas para o desenvolvimento (PNUD).

Ao analisarmos individualmente os indicadores que compõem IDH, veremos os municípios de melhor desempenho em cada item:

  • Renda            :  Novo Hamburgo, 0,769.
  • Longevidade :  Portão, 0,852.
  • Educação      :  Esteio, 0942.

Vale ressaltar que entre os 14 municípios da região,  existe uma variação nos índices e que em estudo individualizados, como os feitos pelo ObservaPoa esta desigualdade aparece dentro dos próprios municípios.

Postagem: Fórum sobre Indicadores socioeconômicos e políticas públicas: realidades e possibilidades para o Vale do Rio dos Sinos.

Deixe uma resposta