A notícia do dia 20 de janeiro de 2012 anunciou que o site Megaupload foi encerrado pelas autoridades norte-americanas e o seu fundador foi detido após uma ação da companhia Universal Music. Em resposta, o coletivo hacker Anonymous está retaliando várias entidades norte-americanas através do maior ataque desde que a Internet foi criada. Os protestos contra o fechamento do site de compartilhamento de arquivos Megaupload.com chegaram ao Brasil. Portais do governo do Distrito Federal – com domínio df.gov.br – e da cantora Paula Fernandes (www.paulafernandes.com.br) também foram hackeados pelo grupo Anonymous. Segundo a justiça norte-americana, o provedor de arquivos Megaupload, um dos mais populares da internet, é responsável por prejuízos de mais de 500 milhões de dólares a autores e empresas da indústria fonográfica e cinematográfica. Sete pessoas — quatro das quais detidas na Nova Zelândia, incluindo o fundador do Megaupload,Kim Dotcom — são acusadas de associação criminosa e violação de direitos autorais. Além do fechamento do site, legalmente sediado em Hong Kong, foram apreendidos diversos servidores, material de informática e outros bens no valor de 50 milhões de dólares.
.
Sites em todo o mundo estão sendo hackeados por causa do fechamento do Megaupload e também porque o grupo é contra o projeto de lei americano Stop Online Piracy Act (Sopa). O projeto – do senador republicano Lamar Smith, do Texas – tinha como proposta apertar o cerco aos sites que compartilhavam “materiais pirateados”. Por causa da avalanche de protestos virtuais, Smith retirou o projeto da pauta do Congresso dos Estados Unidos. Com isso, os congressistas americanos decidiram adiar, por tempo indeterminado, o debate sobre a legislação contra a pirataria que estabeleceu um conflito entre Hollywood e Vale do Silício. Considerado o movimento mais polêmico da história da internet, o combate à pirataria online dá o que falar. E, na opinião de Luli Radfahrer, pode até respingar no Brasil, tido por ele como um dos países que mais têm liberdade na internet.
.
A briga brasileira por mudanças na governança global – as esferas de poder mundial como o Conselho de Segurança das Nações Unidas, o Banco Mundial e o Fundo Monetário Internacional – chega à internet. Não se sabe ainda quando ou como, mas o governo brasileiro quer retomar a discussão da governança da internet, iniciada em 2003, revista em 2005 e ainda sem avanços. Então, a IHU on-line resolveu aprofundar mais no assunto.
.
Confira um trecho da entrevista sobre pirataria com Henrique Antoun, professor da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), coordenador do grupo de pesquisa Cibercult e secretário executivo da Associação Brasileira de Pesquisadores em Cibercultura (ABCiber).
.
“Eu acho que o principal ponto é entender que a Internet não é um espaço de publicidade e promoção. Na verdade, quem mais se beneficia entre os grupos violentos, seja na falecida União Soviética, seja na falecida Alemanha Nazista, é a mídia de massa que é o lugar de publicidade, propaganda e promoção, onde você pode falar sozinho e ficar multiplicando a voz por todos os veículos que existem sem encontrar resistência.”, diz Henrique.
.
.
Para ler mais:

Uma resposta

  1. […] Piracy Act (em tradução livre, Lei de Combate à Pirataria Online) – que já foi citado aqui no blog surgiu como um projeto de lei da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos com o intuito de […]