Um dia por semana sem comer carne pode ajudar a combater o aquecimento global. Você sabia? Surgido nos Estados Unidos, movimento que procura diminuir o consumo de carne ganha adeptos em vários lugares do mundo, inclusive no Brasil. A campanha Meatless Monday (“Segunda sem Carne”) surgiu nos Estados Unidos em 2003, com o objetivo de incentivar as pessoas a consumir menos carne.
.

.
Já há quase 7 bilhões de pessoas na Terra e, para produzir carne para esta população, é preciso criar bilhões de animais que consomem água, comida e recursos energéticos, demandam espaço, produzem grande quantidade de excrementos, contaminam os mananciais, causam erosão e geram poluição atmosférica. A criação de animais para abate é uma forma ineficiente de produzir alimentos: para cada quilo de proteína animal são necessários de 3 a 15 kg de proteína vegetal (milho, soja e outros).
.
Assumindo uma conduta preocupada com o meio ambiente e com a saúde dos trabalhadores que frequentam a Casa do Trabalhador, em Curitiba/PR, o CEPAT, parceiro estratégico do IHU, adotou também essa medida e passa a não servir mais a carne vermelha nas refeições preparadas nas segundas-feiras. “Para nós, significa uma oportunidade de sair de uma situação de impotência diante dos graves problemas ambientais, para uma ação mais propositiva, que possa resultar entre outras coisas, numa diminuição da emissão mundial de gases, cuja fonte principal, segundo a ONU é a criação de animais de corte”, contou-nos Darli Sampaio, que foi uma das idealizadoras dessa campanha no Cepat.
.
Se você também quer participar, pode encontrar o movimento pelas redes sociais e buscar receitas (sem carne) no site.
.
Twitter: @segundasemcarne
Facebook: Segunda Sem Carne
Instagram: @segundasemcarne
Site: http://www.segundasemcarne.com.br
.
Por Luana Taís Nyland 

Deixe uma resposta