Jango e o Golpe de Estado

Em março 11, 2014 Comentar

Pensar na história política do Brasil é vivenciar os acontecimentos do ano de 1964, durante o Golpe de Estado. O ano de 1964 foi de extrema importância para os cidadãos brasileiros, sendo um marco político na ditadura militar que se estendeu até 1985. O Golpe ocorreu conforme a Guerra Fria, embora com conjunturas muito diferentes, sendo dado por militares com apoio empresarial.

Sob os acontecimentos durante o Golpe de 1964, há João Goulart (Jango), ex-presidente deposto e um dos maiores líderes já conhecidos do país. “Ele foi um personagem importante, mas as análises sobre ele não se distanciam das paixões políticas”, afirma Jorge Ferreira, professor de história do Brasil e autor do livro “João Goulart: Uma Biografia”.

Biografia

A partir da mistura de um relato que foge à sisudez dos livros de história e uma espécie de reportagem, Ferreira escreveu em seu livro, baseado em pesquisas, indagações e depoimentos, que incluem o de Maria Thereza Goulart, viúva do ex-presidente, sobre a vida privada de Joao Goulart e o exílio. “Goulart tentou, durante todo seu governo, repetir o sucesso da coalizão partidária que sustentou o governo JK: a aliança no Congresso Nacional entre o PSD e o PTB”, afirma Ferreira em sua obra.

Em 1999, Jorge Ferreira iniciou suas pesquisas referentes à trajetória de João Goulart entre 1945 e 1964. Com o tempo, decidiu dar segmento a pesquisa com o período anterior e posterior, reconstituindo a bibliografia de Jango e os aspectos de sua vida privada. “Goulart compreendeu bem o que ocorreu nos dias 31 de março e 1º de abril de 1964. Não se tratava de grupos civis e militares isolados da sociedade que tentavam. O que ocorria era um levante do conjunto das Forças Armadas com o apoio dos principais governadores de estados”, garante ele.

A obra “João Goulart: Uma Biografia”, foi lançada no ano de 2011 pela Editora Civilização Brasileira e sua categoria é Literatura Nacional/Bibliografias e Memórias.

Jorge Ferreira participará da conferência “50 anos do Golpe de 64. Impactos, (des)caminhos, processos”, e discorrerá sobre o tema no IHU Ideias no dia 27 de março das 17h30 às 19h, na Sala Ignácio Ellacuría e Companheiros, no IHU. No vespertino, o professor proferirá a discussão “Da democratização de 1945 ao golpe civil-militar de 1964“, das 19h30min às 22h, no mesmo local.

Para participar, inscreva-se aqui.

Para ler mais:

Deixe uma resposta