Ontem, celebraram-se os 35 anos do Massacre de São Patrício, em Buenos Aires, Argentina. Na madrugada do dia 4 de julho 1976 foram assassinados os sacerdotes palotinos Alfredo Leaden (de 57 anos), Pedro Duffau (65) e Alfredo Kelly (40), e os seminaristas Salvador Barbeito (29 anos) e Emilio Barletti (23). Eles foram homenageados ontem com uma missa e um ato que se levou a cabo na Paróquia São Patrício, de Belgrano (Buenos Aires/Argentina).

Este fato não foi único que ocorreu na Igreja da Argentina. Outros tantos aconteceram.

Os religiosos foram surpreendidos enquanto dormiam. Foram atados, golpeados e trucidados. Alguns deles receberam mais de 60 tiros e os assassinos, ainda hoje, não foram condenados.

Este massacre nunca foi esclarecido, apesar de que muitos testemunhos coincidam que foi a Escola de Mecânica da Armada – ESMA (Argentina) a responsável, sendo o o principal centro de detenção e torturas perante a ditadura militar.

O documentário 4 de Julho, o massacre de S. Patrício, realizado por Juan Pablo Young e Pablo Zubizarreta, conta o assassinato acontecido nesta data, assim como relata a investigação que se seguiu relativa ao crime.

Este documentário foi exibido e comentado pelo IHU no evento: De Medellín a Aparecida: marcos, trajetórias e perspectivas da Igreja Latino-Americana realizado em 2008.

Para ler mais e saber mais:

Prof. Alfredo Culleton: um fato que marcou sua vida
O massacre de San Patricio. Religiosos palotinos são trucidados

Ninguém aceita a morte por suposição

Deixe uma resposta