“Até que ponto o que sabemos pela ciência a respeito da evolução da vida no universo pode influenciar nossa atitude religiosa? E, por outro lado, até que ponto o pensamento religioso pode dar uma contribuição para nossa compreensão científica das origens e da evolução da vida no universo?”. A partir destas questões, George V. Coyne constitui o pano de fundo geral do tema abordado pela edição 78 do Cadernos Teologia Pública “As implicações da evolução científica para a semântica da fé cristã”.

“Esta dupla pergunta implica sério risco de transgredir a independência epistemológica das várias disciplinas: teologia, filosofia, astrofísica, biologia e cosmologia, e de criar, com isso, mais confusão do que compreensão”, comenta Coyne e acrescenta que a história já mostrou o efeito negativo de não preservar a integridade das respectivas disciplinas.

George V. Coyne é jesuíta, formado em matemática e licenciado em filosofia pela Universidade Fordham, Nova Iorque. Com PhD em astronomia, completou seus estudos teológicos em 1965, quando foi ordenado sacerdote católico. Defensor do darwinismo, trabalha com o diálogo entre fé e ciência e as implicações religiosas da evolução científica na Universidade do Arizona, EUA.

Esta e outras edições dos Cadernos Teologia Pública podem ser adquiridas diretamente no Instituto Humanitas Unisinos – IHU ou solicitados pelo endereço humanitas@unisinos.br. A partir do dia 13 de julho de 2013 a edição estará disponível na íntegra em PDF, aqui.

Deixe uma resposta