Dos povos originários da África, surge uma concepção ética que desafia o estilo de vida da sociedade contemporânea: o ubuntu. Para os povos de língua bantu, esse termo significa “eu sou porque nós somos”. Essa “filosofia do Nós” pensa a comunidade, em seu sentido mais pleno, como todos os seres do universo. Todos nós somos família.

Grande parte da luta contra a colonização na África e contra o apartheid, especialmente a partir das contribuições dadas pelo prêmio Nobel Desmond Tutu, arcebispo anglicano emérito da Cidade do Cabo, na África do Sul, encontrou sua força nessa filosofia.

A edição desta semana da IHU On-Line, junto com a edição 340, intitulada Sumak Kawsay, Suma Qamaña, Teko Porã. O Bem-Viver, busca contribuir, em parceria com escritório brasileiro da Fundação Ética Mundial no Brasil, com a reflexão sobre uma Ética Mundial a partir dos povos originários do nosso continente e dos demais povos que aqui chegaram.

Na discussão sobre o tema contribuem o filósofo e psicólogo sul-africano Dirk Louw, que afirma que nós somos por meio de outras pessoas, mas também por meio de todos os seres do universo; o filósofo sul-africano Mogobe Ramose, para quem a comunidade que nasce do ubuntu é uma “entidade dinâmica” entre os vivos, os mortos-vivos e os ainda não nascidos; a educadora sul-africana Dalene Swanson, que vê o ubuntu como uma “alternativa ecopolítica” à globalização econômica neoliberal; o teólogo norte-americano Charles Haws, que analisa o ubuntu como “liberdade indivisível” a partir das contribuições do arcebispo Tutu; o teólogo congolês e doutor em sociologia Bas’Ilele Malomalo, que situa o ubuntu dentro do contexto social brasileiro; e a filósofa e advogada norte-americana Drucilla Cornell, que reflete sobre as contribuições do ubuntu para as lutas feministas e dos grupos de direitos humanos em geral.

Publicamos ainda uma entrevista com Eduardo Tomazine Teixeira, mestrando em Ciência Política na Universidade de Paris VIII, sobre as Unidades de Polícia Pacificadora – UPPs e com Horácio Costa que é organizador, juntamente, com Berenice Bento, Wilton Garcia, Emerson Inácio e Wiliam Siqueira, do livro Retratos do Brasil Homossexual. – Fronteiras, Subjetividades e Desejos, recentemente lançado pela Edusp.

O artigo “Televisão e interesse público”, de Carine Prevedello, doutoranda e pesquisadora do Grupo CEPOS, e uma entrevista com Ricardo Bins di Napoli, professor na Universidade Federal de Santa Maria – UFSM, sob o título ‘Evolução e transumanismo’, completam a edição.

A versão eletrônica da revista IHU On-Line estará disponível, nesta segunda-feira, a partir das 17h, nesta página, em Html, Pdf e ‘versão para folhear‘.

A edição impressa circulará no câmpus da Unisinos, a partir das 8h, desta terça-feira.

A todas e todos, uma ótima leitura e uma excelente semana!

Deixe uma resposta