O comportamento religioso nos anos de 2000 e 2010 foi o tema abordado na oficina promovida pelo Observatório da Realidade e das Políticas Públicas do Vale do Rio dos Sinos – ObservaSinos, programa do Instituto Humanitas Unisinos – IHU, realizada no dia 18 de novembro.

A oficina foi ministrada pelo professor MS Inácio Spohr, integrante do ObservaSinos-IHU  e coordenador do Programa Gestando o Diálogo Inter-Religioso e o Ecumenismo – Gdirec, que realiza a análise dos indicadores de religiões e religiosidades declaradas pela população nos censos de 2000 e 2010 nos 14 municípios do Vale do Sinos. As 13 análises realizadas até o momento estão publicadas na página do ObservaSinos-IHU.

A apresentação iniciou-se com uma breve introdução sobre a genealogia das religiões contemporâneas. Em seguida, foi apresentada a metodologia do levantamento dos indicadores extraídos da base de dados do Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística – IBGE.

Através dos dados coletados foi possível realizar a análise do quadro religioso nos municípios da região e sua influência nos quadros políticos, econômicos e sociais do Vale do Sinos, além das mudanças significativas em torno das religiões presentes na pesquisa amostral.

De acordo com o professor Inácio, por meio das análises realizadas, pode-se concluir que houve uma diversidade ou dispersão com o aumento de praticantes declarados nas religiões orientais, de matriz africana e espiritismo; o crescimento dos que se declaram sem religião, ateu ou agnóstico; e a diminuição dos que se declaram cristãos.

Oficinas ObservaSinos-IHU

No dia 25 de novembro será realizada a Oficina Indicadores do Trabalho e Trabalhadores do Vale do Rio dos Sinos, ministrada pelo Professor Dr. Moisés Waismann, do Observatório Unilasalle: Trabalho, Gestão e Políticas Públicas – Unilassalle, das 14h às 16h30min, na sala Ignacio Ellacuría e Companheiros – IHU, que terá como tema a apresentação das principais bases de dados do Ministério do Trabalho e Emprego – MTE.

Por Thaís da Rosa Alves e Marilene Maia

Religião e Religiosidades, análises publicadas para o Vale do Sinos:

Deixe uma resposta