<br/><a href="http://oi50.tinypic.com/2iru3qw.jpg" target="_blank">View Raw Image</a>O cristianismo desde a sua origem já se viu imerso em um contexto de convivência com outras religiões. O judaísmo, que seria primeiramente de onde o cristianismo surgiu, foi a primeira religião a ter contato com os ritos e costumes cristãos. Logo em seguida, foi a vez do islamismo e até hoje o papel de diálogo inter-religioso é importante e inevitável para que haja um pleno entendimento entre diferentes.

O teólogo Peter Phan aborda essa temática na edição nº 75 dos Cadernos Teologia Pública. Em seu artigo O pluralismo religioso e a igreja como mistério.

Phan aponta que o Concílio Vaticano II foi marcante para que a igreja começasse a incluir e dar o real crédito às outras religiões e indivíduos pertencentes a elas, “De modo geral se reconhece que o Vaticano II marcou uma evolução significativa na atitude da Igreja Católica para com as religiões não cristãs e a teologia da salvação a ela relacionada […] É de importância vital distinguir entre o ensinamento do Concílio referente aos não cristãos como indivíduos e seu ensinamento sobre as religiões não cristãs como instituições coletivas”.

Atualmente, se vivencia novas formas de ser religioso e espiritual, uma necessidade quase global de diálogo, mas para que isso seja pleno, o Outro religioso, como afirma Peter Phan, não pode simplesmente se homogeneizar, ou colonizar frente a sistemas religiosos mais expressivos. Ao invés disso, deve ser parte integrante de troca de experiências e ensinamentos.

Os Cadernos Teologia Pública podem ser adquiridos na Livraria Cultural, no campus da Unisinos ou pelo endereço livrariaculturalsle@terra.com.br.

Informações pelo fone 55 (51) 3590 4888.

A partir de 15 de março de 2013 esta edição estará disponível na íntegra, no sítio do IHU, em formato PDF.

Deixe uma resposta