2013 será um ano intenso de atividades e publicações para o Instituto Humanitas Unisinos – IHU. Uma das novidades será o lançamento do “Guia das Migrações Transnacionais e Diversidade Cultural – Imigrantes no Brasil”, uma publicação que nasce de uma iniciativa conjunta de pesquisadores brasileiros das universidades Unisinos, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Universidade Católica de Brasília e Universidade Autônoma de Barcelona.

Segundo Denise Cogo, uma das autoras do Guia e professora coordenadora do grupo de pesquisa Mídia Cultura e Cidadania  do PPG em Ciências da Comunicação da Unisinos, o Guia aponta “as relações entre meios de comunicação, diversidade cultural e migrações transnacionais, com a preocupação de fazer com que os resultados dessas pesquisas tenham repercussão na realidade concreta das migrações” e tem como objetivo principal “orientar jornalistas e comunicadores na cobertura de temáticas relacionadas das migrações transnacionais no Brasil”.

A professora Denise destaca a importância do Guia que pretende “situar o papel preponderante que desempenham as mídias (internet, rádio, televisão, jornais, etc.) na construção, visibilidade e debate público da diversidade cultural presente em nossa sociedade, como é o caso das migrações”. Além do mais, o livro viabiliza “ampliar a participação das mídias nas lutas por cidadania dos migrantes no âmbito das políticas migratórias relacionadas aos direitos humanos dos migrantes”.

O Guia é a primeira publicação de uma coleção intitulada “Guias de Diversidade Cultural para Comunicadores”. Os próximos dois guias serão lançados em 2013 e 2014 com as seguintes temáticas: “Diversidade cultural para comunicadores: Copa do Mundo 2014 e Olímpiadas 2016”, com o objetivo de colaborar para compreensão da diversidade cultural brasileira e evitar a reprodução de estereótipos e reducionismos e “Migrações Transnacionais e Diversidade Cultural para comunicadores/as: Migrantes brasileiros/as no mundo”, com o intuito de contribuir para um tratamento informativo contextualizado e não reducionista das realidades dos/as migrantes brasileiros/as pelo mundo.

Por Natália Scholz

Deixe uma resposta