Em sua 43ª edição, o Cadernos IHU traz (Bio)políticas de educação inclusiva e de saúde mental: a (in)visibilidade do sofrimento psíquico segundo Édina Mayer Vergara.

Através de uma pesquisa a autora busca problematizar como os professores destacam, nomeiam e posicionam alunos em sofrimento psíquico e desses dizeres problematiza a tríade Educação Inclusiva – Saúde Mental – sofrimento psíquico, em seus múltiplos enredamentos.

Temos nossas vidas conduzidas, com nossa legitimação, por biopolíticas e essas são fundamentadas em saberes científicos que facilitam ao Estado o fazer viver. Vejo como inadiável à Educação e a cada um de nós perpassamos o olhar com acuidade para quais “relações mantemos com a verdade através do saber científico, e nos quais somos simultaneamente sujeitos e objetos? A partir dessa ideia e de inúmeras teorias que a autora Édina Mayer Vergara constitui o tema abordado por essa edição.

Édina Mayer Vergara é assistente e educadora, estudou e atuou em processo de Educação Inclusiva e Gestão Social, atualmente é docente do curso de Serviço Social na UFPR – Setor Litoral. Possui graduação em Serviço Social pela Universidade Católica de Pelotas, especialização em Psicopedagogia e mestrado em Educação pela Universidade Federal de Pelotas. É doutora em Educação pela Universidade do Vale do Rio dos Sinos – Unisinos.

Esta e outras edições dos Cadernos IHU podem ser adquiridas diretamente no Instituto Humanitas Unisinos – IHU ou solicitados pelo endereço humanitas@unisinos.br. Informações pelo telefone (51) 3590 8247.

O arquivo em PDF deste texto estará disponível nesta página a partir do dia 23 de outubro aqui.

Deixe uma resposta