Até que ponto realmente nos preocupamos com nossos semelhantes? Qual o papel da tecnologia em tudo isso?

Na edição nº 172 dos Cadernos IHU ideias, o teólogo e filósofo Bruno Pucci aborda esses duas questões buscando no trabalho do sociólogo Theodor Adorno (1903 – 1969) uma explicação sobre o fenômeno da indiferença que toma conta da sociedade contemporânea e  nos aliena de tudo e de todos.

Tomando como ponto de partida o ensaio Educação após Auschvitz, Picci usa a tecnologia e principalmente as mídias digitais para justificar as afirmações de Adorno.

Segundo eles, com o advento da  globalização, a facilidade de acesso a todo o tipo de informação que deveria também servir como ferramenta de conscientização e união entre os povos tem a função somente de informar, sem criar nenhum tipo de identificação ou mesmo sentimentos de compaixão aos indivíduos vítimas de acidentes, catástrofes naturais ou  guerras.

Adorno chama de “frieza burguesa” essa visão de banalidade que há anos toma conta de nossa sociedade, Bruno Pucci procura dar uma nova roupagem a este pensamento, trazendo a discussão para os dias atuais.

A partir de 6 de agosto a versão completa desta edição estará disponível, clicando aqui.

Por Wagner Altes

Deixe uma resposta