Valeu, Zumbi!

Em novembro 20, 2012 Comentar

Em 1971, representantes do Grupo Palmares, situado no Rio Grande do Sul, organizaram-se para implementar no dia 20 de novembro o Dia da Consciência Negra, que segundo registros históricos seria o dia da morte de Zumbi dos Palmares pelas mãos do bandeirante Domingos Jorge Velho em 1695 .

Zumbi nasceu em Alagoas no ano de 1655 e seu nome deriva-se de ‘nzumbi’ palavra do dialeto kimbundo, que ainda é falado em Angola. Ele foi um dos líderes da resistência negra contra a escravidão no território de Palmares. Logo após o seu nascimento, foi capturado e entregue a um missionário português que o batizou com o nome Francisco e o ensinou português e latim. Aos quinze anos, Zumbi escapa e volta para o lugar onde nasceu. Ao contrário do que muitos pensam, o quilombo dos Palmares não foi criado por Zumbi, mas por escravos fugidos dos engenhos de açúcar em Pernambuco no ano de 1600.

Sobrinho do líder do quilombo Ganga Zumba, Zumbi foi contra a proposta feita pelo governador da Capitania de Pernambuco que era a de libertar somente os escravos do quilombo e acabou tomando a liderança de seu tio.

O líder negro se valia de táticas de guerrilha para conter os ataques das tropas do governo. Segundo alguns historiadores, a vocação de Zumbi para o combate vinha de família. Ele seria descendente da tribo dos imbangalas, hábeis estrategistas e soldados da África Centro-Ocidental.

Desde 2009, o 20 de novembro é ponto facultativo em todo o Brasil e feriado em mais de 700 cidades. Além deste dia, há outras quatro datas flexíveis que embora sejam consideradas feriados pela população, não são reconhecidas pela legislação brasileira: A sexta-feira da Paixão, a terça-feira de Carnaval, o Corpus-Christi e o Domingo de Páscoa.

Muito mais do que simplesmente um dia em que talvez não se trabalhe em muitos lugares, o Dia da Consciência Negra é mais uma oportunidade que nós brasileiros temos de lembrar essa passagem histórica e também refletir sobre a situação do país em relação a miscigenação e ao progresso e protagonismo do povo negro na sociedade.                          <br/><a href="http://oi45.tinypic.com/2e1xcib.jpg" target="_blank">View Raw Image</a>

Mesmo após 124 anos da abolição da escravatura e de todas as lutas em busca de sua real afirmação, os negros ainda tem muito que pensar e buscar. O conhecimento de suas raízes, da história de seus antepassados em África e de tudo o que aconteceu é fundamental para que haja um reconhecimento por inteiro. Sem saber de onde viemos de fato,  jamais saberemos para onde ir.

A busca por uma educação plena, que proporcione acesso a todos os lugares e que dê muito mais que ascensão social, que mostre as crianças e aos jovens que é possível ter desenvolvimento intelectual e cultural.

Devemos buscar conhecer os traços da cultura africana, tão rica, para podermos enxergar no caleidoscópio que é a cultura brasileira a sua contribuição efetiva.

E por fim, lutar contra todo e qualquer tipo de preconceito. Seja ele racial,  social ou de gênero, pois enquanto não se extinguir do maior número de mentes possível o pensamento de qualquer superioridade que seja, não poderemos nos considerar habitantes de um país igualitário.

Viva Zumbi e todos aqueles que lutam todos os dias por um Brasil diferente!

(Por Wagner Altes)

Para ler mais

Deixe uma resposta