Foto: Fabio Pozzebom/ABr

“O problema do mundo é que o barato está saindo caro, porque poderão ocorrer mudanças climáticas e dificuldades que irão afetar as populações dos países.” Essa é a questão, segundo Luiz Pinguelli Rosa ao falar sobre as inovações tecnológicas que não estão sendo utilizadas no Brasil. Quando questionado sobre os objetivos da Rio+20, o pesquisador contesta que “os objetivos da Rio+20 não serão rapidamente atingidos. Vai haver um período ainda para que essas tecnologias, que estão sendo discutidas, possam ser utilizadas, implantadas. A nossa ideia é que tecnologias que permitem evitar as emissões dos gases do efeito estufa venham a ser mais utilizadas e é essa a nossa intenção”.

Sobre a Conferência obter sucesso ou não,  o secretário executivo do Fórum Brasileiro de Mudanças Climáticas acredita que não vai ser um grande sucesso, mas espera que se avance alguma coisa em direção a um mundo um pouco mais equilibrado. Luiz Pinguelli Rosa acredita que o Brasil melhorou a sua situação quanto a pobreza nos últimos anos, com políticas sociais como o Bolsa Família, o aumento do salário mínimo, etc. Segundo ele, isso contribui, mas há muito mais a fazer, porque as pessoas melhoraram de vida, mas ainda tem uma diferença enorme entre as condições de vida das classes média e alta e as da grande população.
.
Luiz Pinguelli Rosa (foto) concedeu uma entrevista para a Revista IHU On-Line, por telefone e estará presente no IHU no próximo dia 23 de maio, onde abordará o tema “Rio + 20 e a questão das mudanças tecnológicas”. Para mais informações sobre o evento, acesse o sítio do IHU.

Deixe uma resposta