Para muitas pessoas, o mundo está em uma era pós-manicomial. Mais que isso, especialistas apontam que a psiquiatria, assim como o tratamento manicomial, deve ser abolido tal como a escravidão. Para os grupos que são contra esse tipo de tratamento, esta é uma era que necessita de humanização no atendimento e de instaurar uma nova cultura em que o estigma da “loucura” seja superado.

Às vésperas de celebrar o Dia Nacional da Luta Antimanicomial, dia 18 de maio – data que enseja uma série de reflexões fundamentais sobre saúde mental, desinstititucionalização, empoderamento dos usuários e lutas em busca de uma sociedade mais justa e democrática -, a Revista IHU-Online entrevistou diversos profissionais que transitam na área de saúde mental para debater essa temática:

Thomas Szasz, professor emérito da Universidade Estadual de Nova Iorque em Siracusa; Osvaldo Saidon, psicanalista argentino; a médica Rosana Onocko Campos (Universidade Estadual de Campinas – Unicamp); a diretora do Departamento de Ações em Saúde – DAS do Rio Grande do Sul, Sandra Fagundes; o psicólogo Osvaldo Gradella Júnior (Universidade Estadual Paulista Júlio de Mesquita Filho – Unesp); Fábio Alexandre Moraes, psicólogo e professor na Unisinos; o psiquiatra José Jackson Samapaio Coelho (Universidade Estadual do Ceará – UECE); e Martinho Braga Batista e Silva (Universidade Estadual do Rio de Janeiro – UERJ).

A revista IHU On-Line estará disponível no sítio do IHU nesta segunda-feira, a partir das 16h, nas versões html, pdf e ‘versão para folhear‘.

A versão impressa circulará na terça-feira, a partir das 8h, no campus da Unisinos.

A todas e a todos uma boa leitura e uma ótima semana!

Deixe uma resposta