“Os direitos humanos – infelizmente! – não estão inscritos no Direito positivo. Isso significa que ainda não existe nenhum tribunal internacional que faça justiça aos famintos, defenda seu direito à alimentação, reconheça seu direito de produzir seus alimentos ou de obtê-los comprando-os com dinheiro e proteja seu direito à vida.”, alerta Jean Ziegler, sociólogo suíço, em artigo reproduzido no site do IHU.

Segundo Ziegler, a causa da fome nunca é casual, que por trás de cada criança que é assolada pela falta de alimentação digna, existe um assassino, “A equação é simples: quem tem dinheiro come e vive. Quem não tem sofre, torna-se inválido e morre. Não existe a fatalidade. Qualquer morte por fome é um assassinato”.

Mesmo o direito ao alimento tendo sido reconhecido como meta pela ONU nos Objetivos do Milênio, ainda é preciso evoluir sensívelmente na distribuição igualitária destes recursos.

Para analisar estas questões estará presente no IHU na próxima quarta-feira, dia 26 de junho, Dom Mauro Morelli, bispo emérito da diocese de Duque de Caxias – RJ , na palestra Direito Humano ao Alimento e à Nutrição no Contexto Mundial das Metas do Milênio.

O evento acontecerá das 14h30min às 16h30min na sala Ignacio Ellacuría e Companheiros, no IHU. Inscreva-se!

Deixe uma resposta