Acontece hoje no auditório do Sindicato dos Engenheiros do Paraná em Curitiba, o debate “Terra habitável. A natureza como limite da economia”. O debate é uma iniciativa do Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT, parceiro do Instituto Humanitas Unisinos – IHU. Increveram-se para o debate 76 pessoas.

O palestrante convidado é o meste em ciência ambiental pela Usp Andrei Cechin, um estudioso do pensamento de Nicholas Georgescu-Roegen (1906-1984). Georgescu, já no seu tempo, quando ainda não se falava em aquecimento global, declarava que o crescimento econômico infinito assentado sobre recursos naturais finitos era inviável e propunha encontrar uma via de desenvolvimento humano que fosse compatível com a retração da economia, isto é, com o decréscimo da produção.

Na perspectiva do pensamento de Georgescu-Roegen, entre outros, encontram-se Ivan Illich e Serge Latouche. Para Illich (1926-2002), contundente crítico da economia contemporânea, “os sintomas de uma progressiva e acelerada crise planetária são evidentes”. Para ele, “a crise radica no malogro da empresa moderna, isto é, na substituição do homem pela máquina. O grande projeto metamorfoseou-se num implacável processo de servidão para o produtor e de intoxicação para o consumidor”. Para ele a sociedade da convivencialidade – que substitui um valor técnico por um valor ético – foi devorada pela sociedade produtivista orientada pelo consumo.

Serge Latouche, por sua vez afirma que “a sociedade do crescimento não é sustentável nem desejável”. Para Latouche, a obsessão pelo crescimento econômico nos levará à destruição. “O nosso modo de produzir e de consumir é condenatório da existência humana”, diz ele.

O pesquisador Andrei Cechin auxiliará na reflexão e contribuição desses autores para se pensar uma sociedade ecologicamente sustentável.

Deixe uma resposta