As instituições religiosas, em especial as neopentecostais, têm mudado suas lógicas e regras de atuação em função da midiatização, modificando até mesmo o discurso religioso, o adaptando com mais visualidade, coloquialidade e menos aprofundamento. Esta é a opinião da jornalista Viviane Borelli, autora do livro “Mídia e religião: Entre o mundo da fé e o do fiel”  (imagem). A entrevista com Borelli foi a mais acessada entre os dias 16 a 22 de setembro.
.
Na entrevista Viviane Borelli também comenta a iniciativa da Igreja Universal do Reino de Deus, que convocou seus fiéis a não consumirem informações não religiosas durante 21 dias. Segundo a jornalista, não há garantias de que esta convocação tenha sucesso, pois a decisão final cabe ao fiel. Ela destaca que a Igreja Universal utiliza estratégias midiáticas “para continuar existindo como igreja”.
.
Neste período, o Instituto Humanitas Unisinos – IHU, publicou outras entrevistas exclusivas produzidas pela equipe de Jornalismo.

São elas:.

Deixe uma resposta