Aos 80 anos, Plínio segue convicto em suas crenças na esquerda. É um dos principais defensores da Teologia da Libertação, da ala mais progressista da Igreja Católica, e da revolução socialista. “Eu não briguei com o Lula porque eu não brigo com ninguém. Não levo a discussão política para o lado pessoal. Minha discrepância com as pessoas é sempre uma questão política…

Quem deseje conhece sua trajetória e debater sua proposta está convidado/a a participar na Sala Ignacio de Ellacuría no Instituto Humanitas Unisinos- IHU.

Deixe uma resposta