#dicadeleitura

Em setembro 4, 2011 Comentar

Na primeira dica desta semana, “uma análise da realidade humana que para lê-la e compreendê-la é preciso estômago”. Na segunda, uma nova perspectiva da filosofia popperiana. Confira:

“Neste ano comemoram-se os 100 anos de nascimento de um dos mais conturbados e céticos filósofos do século XX: o romeno Emil Cioran. Para tanto, a editora Record está relançando algumas de suas obras no Brasil. Entre elas, a que sugiro para leitura, Breviário de decomposição. Esta obra, a primeira escrita pelo filósofo em francês, foi publicada em 1949. Para lê-la, e compreendê-la, é preciso estômago, como diriam alguns. Cioran é mordaz em sua análise da realidade humana e perpassado por uma perspectiva que enxerga o mundo governado pela força do Mal. Expressamente pessimista e cético frente aos constructos teóricos que os humanos constroem a fim de suportá-lo em seu vazio, Cioran, nos deixa, com seu Breviário, um gosto amargo na boca, ao sermos confrontados com as (im)possibilidades de nossas próprias ilusões. Em um de seus momentos altos, entre outros inúmeros, nos diz: “A História: manufatura de ideais…, mitologia lunática, frenesi de hordas e solitários…, recusa de aceitar a realidade tal qual é, sede mortal de ficções…”. Num mundo cheio de soluções “vazias”, o texto de Cioran é um achado.”

Dica do professor do Departamento de Ciências da Religião da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais, Rodrigo Coppe Caldeira, autor de: “Os baluartes da tradição: o conservadorismo católico brasileiro no Concílio Vaticano II”. Curitiba: CRV, 2011.

“Há livros que compramos e não o lemos de uma vez. Estes livros são objeto de reflexão para nós. Assim é que iniciei a leitura de um livro que pelo número de suas páginas era desanimador. O nome do livro? ‘Los dos problemas fundamentales de la epistemologia‘. O autor? Karl R. Popper.

Trata-se de um livro que tem todo um contexto histórico por detrás dele que é pressuposto para uma leitura proveitosa. Esse livro é baseado em manuscritos de Popper no período compreendido entre 1930-1933. A 1ª edição de Popper foi em 1980. Por que tanto tempo entre a escrita e a publicação? Bem, esse livro por ser extenso foi cortado em várias partes e deu origem a obra ao qual Popper ficaria conhecido. Esse livro era a ‘Lógica da pesquisa científica‘ de 1934. A ‘Lógica’ foi, nas palavras de Popper uma ‘drástica redução’. ‘Los dos problemas fundamentales‘ é muito mais completo e rico de conteúdo. Dá ao leitor uma nova perspectiva da filosofia popperiana. Por exemplo, o uso do método transcendental como alavanca de pesquisa dos dois problemas fundamentais da filosofia desperta o leitor para estudar a influência de Kant na filosofia de Popper. Mas, quais são os dois problemas fundamentais? Ora, Popper escreveu esse livro evocando a obra de Schopenhauer, ‘Os dois problemas fundamentais da ética’ de 1841. Assim, os problemas fundamentais da filosofia são o da demarcação e o da indução, sendo que o problema da indução pode ser reduzido ao da demarcação. Tal problema tem origem na obra de Kant. As 577 páginas do livro de Popper mostram o quanto ele poderia ter dito ainda naquela época. Se o tivesse dito, o que teria mudado no curso do pensamento filosófico?

Dica do professor do curso de Filosofia da Unisinos, Joao Batista Cichero Sieczkowski.

Deixe uma resposta