Arquivos da categoria ‘Entrevistas do dia’

Publicada em nosso sítio no último dia 15, a entrevista com o professor Giuseppe Cocco foi a mais acessada entre os dias 10 a 17 deste mês. Graduado em Ciências Políticas pela Université de Paris VIII e pela Università degli Studi di Padova, Cocco fala sobre o atual momento político e econômico do mundo, em que a multidão é quem está impulsionando as lutas e manifestações.
.
O tema “A multidão na ágora reinventa a política” foi abordado na análise de conjuntura publicada no dia 20, e elaborada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU e pelo Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT.
.
Além desta entrevista, a IHU On-Line publicou durante a semana as entrevistas: A luta dos quilombolas do Maranhão, com Inaldo Serejo; Licença paternidade e a construção social do ser homem e ser mulher, com Maria Angélica Fernandes; Impasses e limites da política de biossegurança brasileira, com Silvio Valle e #15M na Espanha e a descrença nos partidos, sindicatos e ONGs, entrevista com Raul Sánchez Cedillo.
.
Giuseppe Cocco já foi entrevistado em outros momentos pela nossa redação. Confira as entrevistas:

Publicada em nosso sítio no último dia 15, a entrevista com o professor Giuseppe Cocco foi a mais acessada entre os dias 10 a 17 deste mês. Graduado em Ciências Políticas pela Université de Paris VIII e pela Università degli Studi di Padova, Cocco fala sobre o atual momento político e econômico do mundo, em que a multidão é quem está impulsionando as lutas e manifestações.
.
O tema “A multidão na ágora reinventa a política” foi abordado na análise de conjuntura publicada no dia 20, e elaborada pelo Instituto Humanitas Unisinos – IHU e pelo Centro de Pesquisa e Apoio aos Trabalhadores – CEPAT.
.
Além desta entrevista, a IHU On-Line publicou durante a semana as entrevistas: A luta dos quilombolas do Maranhão, com Inaldo Serejo; Licença paternidade e a construção social do ser homem e ser mulher, com Maria Angélica Fernandes; Impasses e limites da política de biossegurança brasileira, com Silvio Valle e #15M na Espanha e a descrença nos partidos, sindicatos e ONGs, entrevista com Raul Sánchez Cedillo.
.
Giuseppe Cocco já foi entrevistado em outros momentos pela nossa redação. Confira as entrevistas:

Raul Cedillo conversou com a IHU On-Line desde uma das barracas montadas em Puerta del Sol. Indicado por Giuseppe Cocco, Raul narrou os movimentos organizados no país e aproximou as reivindicações dos espanhois, levantados depois da crise que afetou a Europa, às reivindicações históricas latino-americanas.

O ativista aproveitou ainda a entrevista para divulgar alguns links que chamou de “fundamentais para a mobilização” e para que os leitores possam acompanhar as manifestações agora conhecidas como #15M (uma referência à hashtag utilizada no Twitter para reunir os tuites escritos desde e sobre Puerta del Sol)

http://www.democraciarealya.es/

http://tomalaplaza.net/
http://takethesquare.net/

http://propongo.tomalaplaza.net/movimiento-15m

Há seis meses, quando participava do TEDxAmazônia, o extrativista José Claudio Ribeiro afirmou diante da diversa e ampla plateia: “Vivo da floresta, protejo ela de todo jeito. Por isso, eu vivo com a bala na cabeça”. Não foi uma bala, mas uma dezena que atingiram ele e sua esposa Maria do Espírito Santo. “Tenho medo? Tenho!, Sou ser humano, mas meu medo não me faz ficar calado”, disse ele. A entrevista com José Batista que publicamos hoje no sítio do IHU é um exemplo disso. Há tantas pessoas que ainda lutam em prol da floresta e todas elas merecem respeito do Estado que precisa combater à impunidade tão presente no norte do Brasil.

Num outro trecho da palestra, ele também diz: “A mesma coisa que fizeram no Acre com Chico Mendes, querem fazer comigo”. E fizeram. Quantos mais o Brasil vai deixar morrer desta forma?

A íntegra deste vídeo pode ser assistida abaixo:

[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/XO2pwnrji8I" width="425" height="350" wmode="transparent" /]

Em entrevista concedida por telefone à IHU On-line, Felício Pontes Júnior, procurador da República junto ao Ministério Público Federal em Belém, falou sobre os problemas e ilegalidades existentes na obra mais cara do Brasil: a hidrelétrica de Belo Monte no Rio Xingu.

Segundo ele, o MPF tem nove ações judiciais contra o governo federal em relação a Belo Monte. “Isso mostra que a cada etapa no processo de licenciamento o governo vem violando algum direito”. Felício afirma que a Constituição manda que o Congresso Nacional ouça as comunidades indígenas atingidas antes de autorizar obras e que isso não foi feito. “A impressão é de que o governo não quer que esse debate sobre Belo Monte venha a público. E não foi só a comunidade indígena que não foi ouvida, mas toda a comunidade científica. Há alguma coisa de podre no ar que não pode ser debatida com a sociedade brasileira, ainda que se trate da obra mais cara do Brasil hoje”, ressalta.

Outro grave problema em Belo Monte, segundo o procurador, é o volume de energia que a hidrelétrica vai gerar. “O rio Xingu sai de mil metros cúbicos de água por segundo nessa época do ano, para daqui a seis meses mais ou menos estar com trinta mil metros cúbicos de água por segundo. O que isso quer dizer na prática? Quer dizer que os dados técnicos mostram que durante quatro meses do ano não haverá água para gerar nenhum quilowatt de energia”. Segundo Felício, isso significa que nós brasileiros vamos pagar por uma obra que não vai dar nem um terço da energia que está sendo propagada.

[Conheça mais sobre o Rio Xingu e as conseqüência de uma construção como a de Belo Monte]

[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/4k0X1bHjf3E" width="425" height="350" wmode="transparent" /]
[kml_flashembed movie="http://www.youtube.com/v/JcCpFBro-Lc" width="425" height="350" wmode="transparent" /]

O processo decisório e o processo de licenciamento são extremamente problemáticos, diz o procurador. E uma das coisas que estão tentando fazer no governo federal é “a liberalização de uma ‘licença de instalação fragmentada’, uma licença apenas para o canteiro da obra. Ora, mas o canteiro já é a obra em si!”. Essa licença não existe na legislação ambiental brasileira, ou você concede uma licença de instalação para que a obra possa se instalar, ou você não concede, diz Felício. “Se essa licença fragmentada de instalação for concedida, nós vamos ter um fluxo migratório impossível de ser agregado por Altamira”.

Contudo, Felício Pontes Júnior diz acreditar na Justiça. “Acredito que o Ibama sob pressão do governo federal vai conceder e na Justiça vamos conseguir barrar essa obra”, finaliza.

Para saber mais sobre os dez anos de batalhas judiciais contra violações à lei, ao meio ambiente e ao ser humano na Amazônia, confira os dez artigos do procurador Felício Pontes Júnior no blog ‘Belo Monte de violências’ e ajude a divulgar as informações.

Conheça também e assine a petição para impedir a construção da hidrelétrica de Belo Monte no Rio Xingu.

Para ler mais: