Arquivos da categoria ‘Caderno IHU Ideias’

Em época de globalização neoliberal, com a desigualdade social se alastrando mundialmente e na esperança de um futuro próspero, as migrações se tornaram um fenômeno corrente nos dias de hoje. Milhares de pessoas deixam seus países na expectativa de uma vida melhor, o que faz com que migrantes senegaleses, haitianos, bolivianos, angolanos, ganeses, entre outros, cheguem ao Brasil e ao Rio Grande do Sul.

Com base nesses fatos, os professores Dirceu Benincá, doutor em Sociologia, e Vânia Aguiar Pinheiro, pesquisadora do tema Identidade e Migrações, pesquisaram a situação dos migrantes senegaleses em solo gaúcho e produziram o artigo Migrantes por necessidade: o caso dos senegaleses no Norte do Rio Grande do Sul, publicado pelo Cadernos IHU ideias, edição 232.

Na publicação, os professores destacam o preconceito religioso, o racismo, a diáspora persistente, as dificuldades para conseguir documentos e a submissão a qualquer tipo de trabalho, ficando sob a dependência do capital, que precariza ainda mais as condições desses migrantes trabalhadores.

No entanto, apesar de muitos obstáculos e da longa viagem à procura da “terra prometida” – que passa por Madri (Espanha), Quito (Equador), São Paulo e, finalmente, Erechim -, entre os migrantes persiste o sonho incomum de ajudar a família que ficou no Senegal e, um dia, regressar para casa.

 

Por Cristina Guerini

Para ler mais:

Foto: Somos Vicencianos

O Dei Verbum é um dos principais documentos do Concílio Vaticano II (1962 – 1965) e começou a ser constituído pelo Papa João XXIII (1958 – 1963). No entanto, por conta de alguns pontos polêmicos, o Papa decidiu suspender as discussões em torno do DV. O documento só voltou a ser discutido posteriormente e foi aprovado, em 1963 com o Papa Paulo VI.

O Dei Verbum é formado por seis capítulos e tem, como objetivo geral, ensinar sobre a Revelação Divina e sua transmissão através da Sagrada Escritura. O documento original, em tradução oficial feita pelo Vaticano, pode ser lido aqui.

Por consequência da importância do Dei Verbum, o Cadernos Teologia Pública, material produzido pelo Instituto Humanitas UnisinosIHU, têm como destaque na edição de número 102, o artigo A Constituição Dogmática Dei Verbum e o Concílio Vaticano II, escrito pelo Prof. Dr. Flávio Martinez de Oliveira.

O texto do professor Flávio Martinez tem como objetivo apresentar o Dei Verbum e descrever o processo que fez com que o documento fosse aceito pelos mais de 2 mil padres conciliares que participaram da votação do documento durante o Concílio Vaticano II. Segundo Martinez, o Dei Verbum é “o documento fonte do Concílio, a sua obra prima, o portal de ingresso”. E complementa: “DV é o documento mais expressivo de todo o Concílio”.

Cadernos Teologia Pública é uma publicação produzida pelo IHU em versão digital e imprensa, cujo objetivo é articular e refletir sobre a teologia na esfera pública da sociedade. A versão digital de A Constituição Dogmática Dei Verbum e o Concílio Vaticano II pode ser acessada aqui.

Sobre o autor

Flávio Martinez de Oliveira tem graduação em Medicina e Teologia pela Universidade Católica de Pelotas e trabalha, principalmente, com pesquisas acadêmicas relacionadas à Teologia Bíblica. É mestre em Saúde e Comportamento e mestre e doutor em Teologia. Atualmente, Martinez trabalha como professor da Universidade Católica de Pelotas e do Instituto de Teologia Paulo VI.

Por Matheus Freitas

Para ler mais

“Mapear os processos dentro dos quais os saberes e os poderes agem uns sobre os outros, em um processo de coprodução circular sobredeterminada pela axiomática do capital e por algumas formas contemporâneas de acumulação”, é a proposta do professor Sandro Chignola no artigo que acaba de ser publicado em Cadernos IHU ideias, nº. 228.

O texto, intitulado A vida, o trabalho, a linguagem. Biopolítica e biocapitalismo, é a conferência proferida pelo professor durante o XVII Simpósio Internacional IHU – Saberes e Práticas na Constituição dos Sujeitos na Contemporaneidade, realizado em setembro, na Unisinos São Leopoldo.

No artigo, Chignola esclarece que o conceito de biopolítica não se refere a “um período de transição do capitalismo”, mas sim como um princípio fundamental do capitalismo, onde tudo é movimentado por uma disputa de poder e controle. Nesse sentido, o professor destaca que o neoliberalismo funciona como alavanca para que o “espírito empresarial e a concorrência” atuem como a regra geral na condução do capital.

Além disso, Sandro Chignola fala da relação entre biocapital, entendido como “um dispositivo de acúmulo e de valorização”, e tecnociência; dos processos de acumulação; do capitalismo congnitivo; e de como o biocapitalismo funciona como uma forma de “disciplinamento e captura da vida”. Estes, entre outros, são alguns dos temas abordados pelo filósofo ao longo do texto.

Sobre o autor

Chignola é professor de Filosofia Política no Departamento de Filosofia, Sociologia, Pedagogia e Psicologia Aplicada na Universidade de Pádua, Itália. É doutor em História do Pensamento Político. Realizou pós-doutorado na École des Haute Études en Sciences Sociales e na École Normale Supérieure de Lettres et Scinecs Humaines. É autor, entre outros, de Historia de los conceptos y filosofia política (Madrid: Biblioteca Nueva, 2010).

O professor publicou na edição 214 do Cadernos IHU ideias o texto intitulado Sobre o dispositivo. Foucault, Agamben, Deleuze.

Cadernos IHU ideias

Para acessar a versão on-line desta edição do Cadernos IHU ideias acesse aqui. A versão impressa pode ser retirada na Secretaria do Instituto Humanitas Unisinos – IHU ou solicitada pelo e-mail humanitas@unisinos.br.

Fique atento/a

Já está disponível também a edição Cadernos IHU ideias com o artigo “Um olhar biopolítico sobre a bioética”, escrito pela professora Anna Quintanas Feixas, da Universidade de Girona, na Espanha.

Por Cristina Guerini

Para ler mais

Até onde irá a convergência entre o orgânico e a máquina? Segundo Timothy Lenoir, estamos passando por uma virada afetiva, onde há uma interação de máquina (frias e duras) com humanos, corpos orgânicos dotados de afeto, consciência e amor.

Professor de História e catedrático do Programa de História e Filosofia da Ciência, na Duke University, nos Estados Unidos, Lenoir faz tais relações em artigo publicado pelo Cadernos IHU Ideias, nº 221.

Citando Deleuze, o professor traz o conceito de neuromarketing: “Em consonância com a noção de Deleuze de que a operação do mercado é o motor e instrumento primordial de controle nas futuras sociedades de controle, tratarei dos esforços para aplicar no neuromarketing esse trabalho de mapear neurocircuitos e o afeto. Se essas especulações tiverem algum mérito, talvez nós queiramos ser cautelosos em investir nos ‘neurofuturos’”.

A edição de Cadernos IHU ideias, publica a conferência proferida por Timothy Lenoir, no XIV Simpósio Internacional IHU: Revoluções tecnocientíficas, culturas, indivíduos e sociedades. A modelagem da vida, do conhecimento e dos processos produtivos na tecnociência contemporânea.

Acesse a versão on-line aqui.

A versão impressa está disponível na secretaria do Instituto Humanitas Unisinos – IHU

Por Nahiene Alves

Para ler mais:

Como preparação para o Dia Mundial da Alimentação o Instituto Humanitas Unisinos – IHU, juntamente com o Instituto Harpia Harpyia, realizou o lançamento dos Cadernos IHU sobre alimentação e nutrição, os Cadernos IHU Ideias e o Guia alimentar para a população brasileira, na Sala Ignácio Ellacuría e companheiros, nesta quarta-feira.

O lançamento contou com a presença do bispo Dom Mauro Morelli, presidente do Conselho de Segurança Alimentar e Nutricional de Minas Gerais (CONSEA-MG) e referência no combate à fome e à miséria no país. Dom Mauro já participou também do XV Simpósio Internacional IHU – Alimento e Nutrição no contexto dos Objetivos do Desenvolvimento do Milênio.

“O problema não é a fome, ter fome é saudável, o problema é não atender a demanda do organismo” comenta o bispo, que achou muito válido ter participado do XV Simpósio. Também alertou aos problemas que enfrentamos atualmente: “O problema da fome não atendida persiste no país”.

O Dia Mundial da Alimentação é celebrado no dia 16 de outubro.